Coronavírus e cruzeiros: quando você pode viajar novamente e o que muda

Entre os setores mais afetados pelo coronavírus, o setor de cruzeiros sofreu uma forte reação. Enquanto o setor luta para ressurgir, tentamos esclarecer quando será possível viajar novamente e o que mudará na fase pós-COVID.

Embora os países europeus estejam emergindo lentamente do isolamento, os portos de cruzeiros, que atualmente estão se preparando para a temporada de verão, ainda estão em um estado calmo.

O ano começou cheio de promessas para a indústria, eram esperados cerca de 30 milhões de passageiros e 22 novos navios seriam lançados. Mas o coronavírus pegou todo o setor de turismo de surpresa , atingindo a indústria de cruzeiros de maneira particularmente violenta.

Coronavírus e cruzeiros

Quando o primeiro surto em Wuhan , na China, foi confirmado no início de

janeiro de 2020, os casos de doenças pareciam um problema distante e irrelevante. Muitos navios já estavam a caminho.

Em meados de fevereiro de 2020, o vírus não era mais apenas um problema chinês. O mundo acompanhou os eventos da Diamond Princess, com 2.670 passageiros em quarentena em Yokohama, no Japão, enquanto a doença circulava entre este e a tripulação. Mais de 700 pessoas foram infectadas e 13 morreram.

Mais de vinte e cinco navios relataram casos de infecção. Dezenas de navios de cruzeiro em todo o mundo desembarcaram seus passageiros em terra, mas mantivera milhares de funcionários da tripulação presos, muitos sem salários e sem informações sobre quando poderão voltar para casa, há cerca de 100.000 tripulantes nessa situação. Inicialmente, as principais empresas de cruzeiros pensaram que a crise passaria em algumas semanas e que as viagens seriam retomadas entre abril e maio. Por esse motivo, talvez muitos deles tenham escolhido inicialmente manter muitos de seus funcionários a bordo, mas com a pandemia e os bloqueios continuando, o repatriamento de funcionários tornou-se muito complicado e caro, em alguns casos. Pressionando as equipes a greve de fome, foi uma das decisões de desespero feita por alguns tripulantes para pressionar as companhias no processo de retorno. 

No início de março, quando o vírus se espalhou por todo o mundo, a indústria de cruzeiros sofreu uma parada inevitável. Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou oficialmente o coronavírus uma pandemia, o que resultou na emissão imediata da ordem de não navegar. Atualmente, está em vigor até 24 de julho de 2020 para os Estados Unidos e, geralmente, até que o coronavírus não seja mais considerado uma ameaça à saúde.

Indústria de cruzeiros: um setor em dificuldade

Alguns especialistas desse setor especulam que o mundo dos cruzeiros não se recuperará facilmente. No entanto, há uma equipe real de viajantes que têm uma paixão desenfreada por esse tipo de férias, sejam cruzeiros de aventura, navios de luxo ou grandes resorts flutuantes. O desejo de viajar ainda está vivo neles, mas eles terão que encontrar uma confiança renovada no setor, especialmente depois de ter sido estigmatizado pelas manchetes dos jornais que demonizam os navios de cruzeiro como veículos espalhadores do vírus.

Conforme apontado pela CLIA, a Associação Internacional da Indústria de Cruzeiros, os dados sobre os navios eram simplesmente mais fáceis de rastrear, porque a indústria deve declarar por lei qualquer surto de doença a bordo. Uma pesquisa independente, realizada em uma amostra de cinco mil usuários do Twitter, registrou um declínio na demanda por cruzeiros, 56% dos que nunca estiveram em um cruzeiro não pretendem viajar no futuro, enquanto apenas 14% mostraram abertura para novas viagens. Apenas 21% dos que já viajaram em um cruzeiro repetiriam a experiência, 9% a excluíram totalmente. 65% no total excluem o cruzeiro como possíveis férias. Por outro lado, os dados de reservas para 2021 feitas nas últimas semanas mostraram um aumento de 40% em relação a 2019, onde apenas 11% dizem respeito a viajantes que precisam recuperar reservas canceladas este ano. Segundo uma pesquisa do grupo bancário do UBS, as reservas aumentaram 9% em março em comparação com o mesmo período do ano passado.

O que está acontecendo no mundo dos cruzeiros agora?

A indústria de cruzeiros está prejudicada. Por exemplo, as três maiores linhas, Carnival Corporation , Norwegian e Royal Caribbean , não serão elegíveis para auxílio do governo dos Estados Unidos, pois estão todas registradas no exterior. Além disso, serão necessários novos protocolos drásticos para restaurar a confiança do turista, bem como uma extensa campanha de relações públicas para comunicar os detalhes desses protocolos aos passageiros em potencial.

Além da confusão, países individuais aplicam suas próprias regras ao fechamento de portos, como normalmente fazem com fechamentos de fronteiras. As Seychelles no Oceano Índico, por exemplo, proibiram todos os navios de entrar nos portos do arquipélago até o final de 2021. Na Espanha, está prevista uma quarentena de duas semanas para todas as chegadas.

Austrália e Nova Zelândia, também países populares de convocação de cruzeiros, permanecem fechados. Grand Cayman, no Caribe, suspendeu o acesso aos portos até setembro. O Costa Crociere estendeu a parada até 31 de julho. A decisão está ligada precisamente à incerteza sobre a reabertura gradual de portos para navios de cruzeiro e às restrições que ainda podem estar em vigor para a circulação de pessoas.

Muitos navios provavelmente permanecerão perto de casa

Na Europa, os cruzeiros dentro de uma única fronteira podem retornar mais cedo, por exemplo, ao redor da Grã-Bretanha, ou no caso da linha Hurtigruten , ao longo da costa norueguesa. Atualmente, os países europeus estão discutindo a abertura de suas fronteiras em corredores seguros, onde os turistas podem se mover como se estivessem dentro de uma bolha, mas é difícil estabelecer quando a circulação no mar e a atracação nos portos internacionais retornarão aos níveis operacionais pré-COVID.

A era do distanciamento social

Muitas linhas de cruzeiro, grandes, médias e pequenas, já anunciaram planos preliminares para futuras viagens .

As verificações antes do embarque podem incluir uma varredura térmica para verificar as  temperaturas, questionários detalhados de saúde antes do embarque e a negação do embarque a qualquer pessoa que tenha viajado recentemente para países identificados como estando em risco. As empresas de cruzeiros poderiam adotar uma estratégia semelhante à da companhia aérea Emirates , que já realiza testes rápidos para verificar eventuais contágios no embarque de passageiros. Observadores da indústria preveem que algo ainda mais rigoroso, com possíveis testes diários em navios para passageiros, seja imediatamente colocado em quarentena em caso de positividade.

Mesmo depois de zarpar para o próximo cruzeiro disponível, você provavelmente terá que se despedir do buffet self-service. Com toda a probabilidade, toda a comida será servida pelo garçom e as mesas do restaurante dispostas a uma distância uma da outra. As refeições a serem servidas ao ar livre serão favorecidas, onde os espaços devem ser reformados para permitir o uso seguro pelos passageiros.

As linhas de cruzeiro de luxo têm uma vantagem nesse caso, pois, por definição, elas têm mais espaço a bordo por passageiro. Para todos os navios, outras medidas poderiam incluir: menos passageiros por cruzeiro e até 50% menos, tempos de embarque e desembarque escalonados para evitar longas filas, a organização de uma equipe médica mais especializada e um número de gabinetes designados para casos potenciais de quarentena.

E, novamente, horários escalonados também para o uso de piscinas e spas, para serem compartilhados apenas com seus companheiros de viagem. A limpeza estará sujeita a uma taxa e deve incluir protocolos rigorosos de saneamento, repetidos até 10 vezes por dia nas áreas comuns e sem esquecer detalhes como maçanetas, botões do elevador e trilhos da escada.

Existem também os protocolos para excursões em terra, que deverão garantir a circulação em veículos seguros, evitar reuniões e fornecer qualquer equipamento desinfetando-os antes e depois do uso. Resta ver se as máscaras serão obrigatórias a bordo e nas excursões em terra, já que as regras provavelmente serão diferentes de um país para outro.

Espera-se que em breve possamos equipar-nos com uma espécie de passaporte de imunidade COVID-19 quando houver uma vacina disponível. Entretanto, a tecnologia pode revelar-se um auxílio válido para a recuperação do turismo.

Por exemplo, o check-in ativado por voz e sem contato será cada vez mais popular no terminal de cruzeiros; poderíamos passar por um scanner de controle de temperatura enquanto nossa bagagem passava por um túnel de spray desinfetante. Um grupo de estudantes chineses até projetou uma maçaneta de porta desinfetante que usa luz UV para matar germes.

Ainda é cedo para prever exatamente quais serão os novos protocolos, quais linhas de cruzeiro os adotarão primeiro ou quando a tecnologia mais avançada se tornará amplamente disponível. Enquanto isso, muitas linhas de cruzeiro esperam - e planejam - pelo menos um retorno limitado em 2020 , algumas já no final do verão, embora uma recuperação mais substancial pareça plausível não antes de setembro.

Quer saber mais sobre CRUZEIROS, então assista esse vídeo do link abaixo:

https://www.instagram.com/p/CDSZ8tXlMNZ/

Autores:

Matheus Pereira - Graduando em Engenharia Naval e Oceânica na UFRJ e ex-coordenador do Diário de Bordo da Liga Naval

Yasmin Pereira - Graduanda em Engenharia Naval e Oceânica na UFRJ e membro do Workshop da Liga Naval.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.