Dock Brasil faz primeira docagem em seu dique flutuante

A Dock Brasil iniciou operações em agosto com a docagem do PSV C-Ouro (4.900 BHP), da Camorim, no Rio de Janeiro. Os serviços de reparo, que devem ser concluídos na próxima terça-feira (6), estão sendo realizados no dique flutuante Comte. Cristóvão, construído pelo estaleiro Zemar, em Navegantes (SC). Enquanto seu estaleiro de reparos não entra em operação, a Dock Brasil pretende realizar outras docagens, continuando a contar com a estrutura da Camorim como apoio. A parceria foi bem avaliada pela Dock Brasil nessa primeira operação. A embarcação em reparo tem 72,40 metros de boca, 16,46 metros de largura, 6,10 metros de profundidade e 5,12 metros de calado. Os sócios da Dock Brasil decidiram que vão investir recursos próprios para começar operações no estaleiro de reparos dentro de oito meses, pois o financiamento do Banco do Brasil, agente repassador do Fundo da Marinha Mercante (FMM) neste projeto, ainda não foi liberado. A ideia é operar o dique na área de terceiros nesta primeira fase, depois operar no estaleiro próprio com infraestrutura mínima necessária e, conforme a demanda de serviços e a liberação dos recursos do FMM avançarem, concluir a unidade de reparos na sequência. Localizada em São Gonçalo (RJ), a unidade será instalada numa área de 20 mil metros quadrados com acesso pela Baía de Guanabara. A concepção original prevê três diques flutuantes com 99 metros de comprimento por 30 metros de largura. O projeto da Dock Brasil tem 50% de participação societária de fundos de investimento e 50% de pessoas físicas. O projeto conceitual é da Royal Haskoning. O Dock Brasil contará com cais de 130 metros e píer com 120 metros de comprimento e 12 metros de largura para atracação visando o acabamento e serviços adicionais. As instalações em terra terão três posições com pares de trilhos, sendo duas linhas com 110 metros e outra com 90 metros, para embarcações de até três mil toneladas. Após liberada a atracação do dique no estaleiro, a embarcação poderá ser reparada no dique ou em terra. Para a transferência, serão utilizados transportadores autopropelidos. A posição em terra foi projetada para receber embarcações de até 80 metros de comprimento, 16 metros de boca e três mil toneladas. O diretor-presidente da Dock Brasil, Carlos Boeckh, observa que a maioria dos estaleiros especializados em construção que anunciaram planos de atuar no reparo durante o período de crise não alcançou destaque com a atividade até o momento. “A migração da construção para o reparo não é simples e requer investimentos”, afirma Boeckh. Ele avalia que a demanda diminuiu nos últimos dois anos, mas a quantidade de serviços segue relevante, sobretudo no Rio de Janeiro que é um “centro de reparo”. Marcelo Mello, que também é sócio da Dock Brasil, ressalta que a empresa aposta na qualidade do serviço e nos prazos como diferenciais do projeto. Ele acrescenta que o estaleiro futuramente vai dispor de um travel lift para o lançamento e transporte dos barcos de menor tamanho. A unidade também vai oferecer um galpão com 1,6 mil metros quadrados de área, que contará com oficinas de chapas e tubulação, almoxarifados para Dock Brasil e para clientes. Autor: Danilo Oliveira Fonte: Portos e Navios

1 comment

  1. hgf

    I’m impressed, I must say. Rarely do I come across a blog that’s equally educative and amusing,
    and let me tell you, you’ve hit the nail on the head.
    The issue is something that not enough men and women are speaking intelligently about.
    I’m very happy that I found this during my search for something concerning this.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.